Num dia qualquer em San Francisco



Hoje o dia em San Francisco estava lindo. Quente, ensolarado. As pessoas estavam passeando e aproveitando o restinho de verão. Eu decidi caminhar sem rumo, mas por causa da minha limitação não fui muito mais longe do que o Pier 5, o meu lugar favorito na cidade. Enquanto caminhava depois do ATT park um estranho me abordou pedindo direção. Era um rapaz jovem, com no máximo 25 anos. Tinha um estilo mochileiro/hippie e parecia estar muito cansado. Como continuávamos caminhando na mesma direção, ele puxou papo falamos sobre a cidade, de onde ele era, sobre um pouco a vida. Nada pessoal, mas o suficiente para começar e continuar uma conversa. Falei pra ele que estava procurando emprego e que não sabia o que queria fazer. Ele simplesmente me disse pra seguir a minha paixão, que assim eu encontraria não somente o meu caminho, mas também faria um bem para o mundo. Achei bonito o que ele me falou e me deixou pensativa por muito tempo. Se fosse num outro dia, eu nem teria parado para falar com ele, teria ficado com medo, mas justamente hoje eu tinha pedido pra Deus que queria conversar com um estranho, conhecer um pouco de uma história. Ele me disse que estava viajando pela Califórnia e foi visitar Yosemite. E que fez hike do Half Dome. Ele descreveu como a coisa mais difícil que ele já fez na vida porque ele não estava preparado. Não estava preparado, mas tinha força de vontade para continuar escalando e chegou ao topo a tempo de ver um lindo por-do-Sol. E ele falou que a beleza daquele momento ficou pra sempre registrado na memória dele e que só de imaginar, os olhos dele se enchiam de água, o que realmente aconteceu. Não teve foto, mas ficou gravado na memória e isto pra ele é o que importa. A gente precisa aprender a guardar momentos especiais assim, tão vívidas na nossa memória que nos emocione novamente, nos traga lágrimas de alegria e sorriso no rosto. A vida é simples, ele me disse. Ele comia coisas simples, dormia em lugares simples, mas o importante para ele era colecionar este tipo de momento. Respeito este tipo de pessoa. Também me contou que trabalha muito duro durante o ano inteiro, em dois trabalhos no Arizona e no verão ele vai viajar, conhecer gente e novos lugares. Antes de nós despedirmos passamos pela Bay Bridge e contei pra ele que antigamente tinha uma estrada passando por onde estávamos caminhando. Uma tragédia em 1989, o terremoto Loma Pietra, derrubou a freeway que passava naquele lugar. Foi um acontecimento terrível, houve mortes e feridos, mas se não tivesse acontecido aquilo, aquela rua, a Embarcadero não seria tão convidativa como é hoje. E isto me fez lembrar que às vezes na nossa vida passamos por momentos trágicos e que pra nós significa destruição e dor, mas que lá na frente, irá nos beneficiar imensamente. Ao chegarmos no Ferry Building expliquei  como chegar no Pier 39 e fiquei por lá. Pra minha surpresa ele me deu um abraço e disse que foi bom ter me encontrado. E entrei no Ferry Building olhando aquele monte de gente, cada um com o seu celular, correndo para pegar algo para o almoço, gente sorrindo, outros tirando fotos. É a San Francisco de um dia lindo de verão, onde realmente se faz calor e está ensolarado. O meu próximo ponto de parada é o Pier 5. Aquela ponte linda onde algumas pessoas pescam e muitos vão tirar fotos da Bay Bridge. Gosto de olhar a Coit Tower e também o Transamérica Building. Sento e olho crianças correndo, gente tirando foto, pessoas pescando, duas pessoas se exercitando. E de repente o alarme soa bem alto. Lembro-me que é terça-feira, meio dia. É o teste semanal do sistema de alarme de emergência da cidade. Observo que duas meninas paralisam com os olhos arregalados, a té que é avisado no sistema que isto é só um teste. Elas respiram com alívio e dão risada. Em meio aos meus pensamentos peço apenas para Deus para que eu sempre dê valor para estes pequenos momentos. Aproveitar a beleza natural do lugar onde moro, as pessoas, os sorrisos, os momentos bons porque são estas coisas que fazem a vida valer a pena. O dia de hoje não foi nada especial, mas foi um dia feliz. E pra terminar melhor ainda, um sorriso de genuína alegria do meu marido ao chegar em casa. Deus, obrigada por este dia. Obrigada.
Pier 5 - Arquivo pessoal

Bay Bridge - Arquivo Pessoal

The Embarcadero - Arquivo Pessoal

Comments

  1. Que lindo! Não cheguei a conhecer São Francisco quando estive aí, mas pelas fotos é uma cidade linda!
    É tão lindo quando falamos com Deus e recebemos uma resposta, uma surpresa, uma alegria assim! Principalmente quando vem no "formato" de uma pessoa legal, de um papo agradável, de um conselho oportuno. Sabe, o rapaz que você encontrou podia muito bem ser um anjo.

    E por que demorou tanto a comentar no meu blog??? Hahaha teria vindo ler seu blog antes se tivesse deixado um comentário, gosto de conhecer pessoas e ler histórias!

    Um abraço!

    ReplyDelete
  2. Oi Mari! Obrigada pela visita!
    Depois fiquei pensando e outra pessoa me disse também que talvez aquele rapaz tenha sido um anjo enviado do céu...
    Se um dia retornar aos EUA, passe em San Francisco, você vai gostar! :-)

    ReplyDelete
  3. Nunca canso de ler este post!!! muito lindo...

    ReplyDelete

Post a Comment

Deixe seu comentário, dúvidas, sugestões ou perguntas para a Paulistana na Califórnia!
Seu comentário será lido e respondido assim que possível!
Obrigada!!

Popular posts from this blog

É legal viver ilegal nos EUA?

...

O dia que a professora de espanhol quase enfartou em classe