Um dia de cada vez.

É exatamente assim que tenho vivido desde o dia 13 de janeiro.
Como havia comentado no post anterior, fui internada  e fiquei no hospital por 1 semana porque os meus rins estavam parando de funcionar, e porque eles não estavam fazendo a limpeza devida o meu corpo estava praticamente sendo envenenada colocando-me em risco de problemas no coração.
E tudo isto aconteceu por causa de uma doença do sistema imunológico chamada Lupus. Eu já tinha ouvido falar da doença, mas tudo o que eu sabia era que a pessoa que tinha tomava cortisol pra controlar e precisava ficar longe do Sol. Lupus é muito mais sério do que isto.
Pra resumir a história: o sistema imunológico dá um piriri e começa a atacar outros órgãos e tecidos do próprio corpo como sendo corpos "estranhos". No meu caso, a Lupus atacou os rins provocando toda a confusão descrita acima.
Do susto inicial - médico falando em hemodiálise, transplante de rins, quimioterapia. As coisas estão bem melhores, mas o meu estado ainda é considerado sério já que os rins ainda estão se recuperando e estou tomando "lite quimio"em casa. Os medicamentos estão ajudando a colocar ordem na casa, mas será um processo que durará alguns meses para ficar recuperada. Alguns dias estou bem, disposta até esqueço que estou doente. Há dias que já acordo cansada e estes dias são os mais difíceis porque começa uma batalha muito grande na mente. Da mente estar a 220km/h e o corpo ir a 5km/h.
É literalmente viver um dia, um momento de cada vez. E fazer o melhor a cada dia e se alegrar com as pequenas alegrias e pequenas conquistas em rumo a recuperação.
Dou graças a Deus todos os dias pelo suporte e amor incondicional do meu marido e o carinho da minha família e de amigos distantes e dos poucos amigos que estão perto dando força tanto para mim quanto para ele. Também dou graças a Deus por toda equipe médica e enfermeiros que me atenderam e cuidaram de mim, e por ter a tranquilidade em saber que recebi o melhor atendimento e tratamento disponíveis.
Pode parecer loucura, mas agradeço à Ele também por ter acontecido assim, de repente, de forma "súbita" porque a Lupus é uma doença que se mascara em outras enfermidades e muitas vezes passam se anos sem ser diagnosticada. Agora que eu sei o diagnóstico, vi que meu corpo deu vários sinais que eu ou ignorei ou pensei que fossem outras coisas.
Dou graças a Deus porque não sinto dores e acima de tudo porque sinto uma paz profunda que sei que vem Dele dentro do meu coração.
Toda esta situação me fez enxergar a vida de uma forma diferente. Sou obrigada a ver a vida de uma forma diferente. Acho que isto acontece com todo mundo que se dá conta do quanto a vida é frágil.  A visão do mundo, das prioridades, das pessoas, dos problemas, de si mesmo muda. E depende de cada um escolher qual será esta nova visão.
Poderia estar com raiva de tudo e de todos, querendo entender o porque disto estar acontecendo comigo e ficar amargurada e triste. Mas isto iria me ajudar na minha recuperação? Iria ajudar as pessoas ao meu redor?
Então eu escolhi encarar isto como mais um desafio, mais uma tempestade a enfrentar e que me deixará mais forte, uma pessoa melhor. As pessoas estranham o meu otimismo, dizem que eu nem pareço doente, mas se eu ficar chorando não vai adiantar nada, certo? Confesso que a força não vem de mim, eu sou humana, tudo é muito confuso e tenho que aprender tanta coisa sobre a doença, sobre efeitos colaterais, sobre os medicamentos. Mas eu tenho Deus acima de tudo e Ele me dá forças todos os dias para me sustentar, me guiar, me dar paz e me dar sabedoria para na medida do possível tentar retomar aos poucos a minha "antiga rotina".

Obrigada àqueles que enviaram votos de melhoras no post anterior. Foram recebidos com muito carinho.

Para saber mais sobre Lupus:

www.lupus.org - em inglês
www.lupus.org.br em português.

Comments

Popular posts from this blog

É legal viver ilegal nos EUA?

...

O dia que a professora de espanhol quase enfartou em classe