Posts

Showing posts from February, 2015

Despedidas e a saudade

Acho que a pior de todas e a que vai ser a primeira de muitas, é a despedida de "casa". Deixar para "trás" a vida que se conhecia, o conforto da familiaridade das coisas, da língua, da cultura. E as pessoas muito importantes da nossa vida: família e amigos.

Depois da primeira partida, a saudade vai ser moradora constante do coração. Quem disser que um dia ela some está mentindo para o mundo e para consigo mesmo. Basta ouvir uma música, sentir um cheiro, ver uma foto e ela vem à tona, às vezes trazendo uma dor ao peito muito grande. Mas ninguém morre de saudade, eu garanto a você.

Aos poucos a gente vai se acostumando, vai levando a vida e deixando a saudade de lado pra poder aproveitar o que está ao redor. Sou a favor do expatriado ter laços fortes com o país de origem e as pessoas que ficaram para trás sim, mas tem que ter limite para não ser sufocado por este laço e a ausência de coisas e pessoas tirarem a alegria de viver no novo lugar e se fincarem novas raízes…

Adeus

Não quero que você vá, fique comigo... Segure-me um pouco mais, um pouco mais apertado. Este momento não se repetirá novamente Deixe-me saboreá-lo para guardá-lo comigo E assim que você for As coisas jamais serão as mesmas. Meu coração dói, quero muito que você fique. Mas eu te amo tanto, por isto deixo você ir Mesmo com todas as incertezas da sua partida.

8 anos de EUA

Há 8 anos estava no aeroporto de Guarulhos, morrendo de ansiedade para entrar pela primeira vez em um avião. Mal sabia que aquela viagem iria mudar completamente o rumo da minha vida. Tinha 25 anos, mas o deslumbramento com as coisas e as experiências novas era de uma criança de 5 anos de idade. Incrível como o nosso olhar muda quando enxergamos as coisas pela primeira vez.
Inicialmente o plano era ficar 1 ano nos EUA, aperfeiçoar o inglês e voltar para casa. Mas aí surgiu a oportunidade de ficar mais um ano e pensei comigo, por que não? Afinal não tenho nada me prendendo lá no Brasil e me mudei para a Califórnia, o lugar que morria de medo de ir por causa de terremotos.
Mal coloquei os meus pés neste lugar e conheci o meu marido e a vontade de embora se foi, afinal, como poderia ir e deixar para trás o amor da minha vida? A decisão não foi fácil de ser tomada, mas valeu a pena.
Há quem pense que morar no exterior é um mar de maravilhas, mas não é. Tem muita coisa boa, aqui eu tenho u…