Posts

Showing posts from March, 2015

Remédios nos EUA

A primeira vez que entrei em uma farmácia nos EUA quase tive um treco e também rolou uma lagriminha no meu olho de emoção. Deixa eu explicar...
O treco foi em ver a quantidade enorme de medicamentos que você pode comprar na farmácia sem precisar de receita médica, os chamados "Over the counter medication". Colírios, remédios para dores, problemas digestivos, respiratórios, até para tratar problemas femininos, vitaminas, tudo ali ao alcance das mãos. E os americanos fazem uso destes medicamentos! Acho até eles um pouco hipocrondríacos, mas sabendo o quanto custa uma visita ao médico, dá para entender porque as pessoas se auto-medicam aqui.
A minha emoção foi encontrar um corredor com vários tipos de Tylenol, o único analgésico que posso tomar já que sou alérgica a aspirina.
Agora, se você precisar de um antibiótico ou tratar problemas de saúde mais sérios ou até mesmo anticoncepcionais, será necessário a receita médica que só é obtida após uma consulta com um médico, são os c…

Comer, comer...

Existe coisa melhor nesta vida do que comer?
Os meus hábitos alimentares mudaram e muito desde que vim morar nos EUA. Estes dias estava lendo um diário de quando cheguei aqui e tinha escrito toda orgulhosa que tinha feito pela primeira vez feijão e até que ficou bom (pelo menos na foto estava com cara boa). Na minha vida típica de jovem paulistana, saía de casa para trabalhar 7h da manhã e retornava 11h da noite, então não tinha tempo e graças à minha querida mãe também não precisava cozinhar.
Mas cozinhar está no meu sangue, veja bem. Praticamente nasci numa família de cozinheiros, chefs, padeiros e doceiros. Todos os meus tios por parte de pai e mãe trabalharam em restaurante e veja bem, meu pai também é cozinheiro até hoje.
Então desde pequena estava acostumada a experimentar comidas estranhas que meu pai trazida do buffet, lembro da primeira vez que vi um kiwi na minha frente quase pirei! Além de linda a fruta era muito gostosa, se estivesse madura claro! E as saladas e salgados m…

O gringo e o português

A maioria das pessoas quando sabe que o meu marido é "gringo" pergunta se ele fala português. E a resposta é sempre a mesma: "Bom, fome e vontade de ir ao banheiro eu sei que ele não passa no Brasil".
Ele já tinha contato com o português antes de me conhecer porque tinha amigos brasileiros (que só ensinaram palavrões pra ele), e aos poucos foi aprendendo os nomes dos pratos que ele gosta, algumas frases básicas, expressões, etc. Mas nada que pudesse manter uma conversa por mais de 2 minutos com alguém.
Quando a minha mãe veio nos visitar a primeira vez em 2010, ele acabou se vendo numa situação onde foi obrigado a conversar com ela, porque naquela época eu trabalhava e estudava e ele ficava em casa com ela sozinho e a minha mãe sem falar uma palavra em inglês não parava de conversar com ele um minuto se quer! Ele sobreviveu graças ao dicionário do celular :-)
Antes de irmos ao Brasil juntos em 2013 ele pediu para que ensinasse mais pra ele pois não queria perder a…