Finalmente me rendi...

Nao eh de hoje que meus amigos e minha familia disse que eu americanizei. Os costumes mudaram, os pensamentos mudaram... tenho ate uma amiga que diz que eu tenho sotaque de gringo quando falo portugues (acho que isto eh coisa da cabeca dela, mas tudo bem). E apesar de ter certeza de que sim, durante estes 5 anos em que moro aqui muita coisa mudou na minha vida, nao concordo com o rotulo de americanizada.
Entao hoje, na correria para ir para a faculdade, eu faco um sanduiche de pasta de amendoim com geleia de morango pra levar comigo.
Perai.
Desde quando eu como sanduiche de pasta de amendoim com geleia no almoco?? Eu sempre achei a combinacao a coisa mais nojenta do mundo e ca estou eu, preparando um para o meu almoco, o que foi que aconteceu comigo???
Morri de dar risada quando me dei conta disto e pensei comigo: eh, definitivamente americanizei...

Comments

  1. KKKKKKKK
    rí sozinha lendo seu post...
    pois eu tb acho a coisa mais "urght" quando o Steve diz que almoçou um pão com pasta de amendoim e geléia...
    ai que medo do futuro... será que é isso que me espera?
    bjs e fica com Deus

    ReplyDelete
  2. Nem me fale... Foi um choque p mim no começo. Eles realmente n dão importancia pro almoço, mas é tudo explicável. Na hora do almoço, os adultos trabalham, as crianças estão na escola, então a refeição mais importante é mesmo o jantar.
    No começo segui essa regra, mas qnd comecei uma dieta voltei ao almoço de brasileira e carreguei meu marido junto!
    ;D
    hehehe

    Beijoooo!
    Rebeca
    xoxo

    ReplyDelete
  3. Eliana, ri mto com o seu post!! Não tem jeito, com o tempo a gente vai "mudando" e nem percebe rsrs. Na culinária, diversas coisas que abominava a 5 anos atrás, agora fazem parte da minha dieta rsrs E quando vou no Brasil, fica mais acentuado as coisas em que minha percepção mudou!! O meio que vivemos sempre nos molda um pouquinho, a gente pensa que não, mas quando se dá conta, já mudou :) Bjuss

    ReplyDelete
  4. Oiii

    pasta de amendoim com geleia???? nao fica muito doce essa combinacao? E de almoco! que diferente!

    bjsss

    ReplyDelete
  5. Assumo!Me rendi tb! Me rendi quando quasei chorei ao citar Pledge of Allegiance na igreja. Eu me senti tão orgulhosa, parecia até que eu tinha nascido aqui.

    E quando eles cantam God Bless America no hinário cristão? Uma vez quase que fechava os olhos colocava as mãos pra cima e give in...Yeah, I think I agrigalhei mesmo!

    Go figure :)!

    ReplyDelete
  6. Noooossaa, eu tb acho as vezes que "americanizei" demais, e ja escutei isso tb, mas uma coisa que eu (acho) que nao farei NUNCA eh isso, comer sanduiche de peanut butter com geleia. Eu nao suporto peanut butter, haha. Soh o cheiro ja me enjoa, meu marido come essa combinacao direto, eu nao tenho coragem. Agora, tem uma coisa, apenas UMA coisa de peanut butter que eu gosto, quando comi e soube que era peanut butter nem acreditei... "Buck eyed balls" ja ouviu falar? Eu soh fui saber disso e comer no meu sexto ano aqui nos EUA, nunca tinha visto ou ouvido falar. Eh tipo uma trufa, meio bombom sei lah. O recheio eh feito de peanut buter, acucar de confeiteiro (muito acucar de confeiteiro) e manteiga, misturados tudo com as maos e dipped in melted chocolate. Eh uma delicia! O gosto eh super suave, me lembrou bastante o bombom sonho de valsa que o recheio eh feito com manteiga de castanha de caju, tanto que quando comi buck eyed balls eu achei que era manteiga de cashews e nao de amendoim! Aff, olha eu aqui escrevendo demais.

    ReplyDelete
  7. Nani, nunca ouvi falar de Buck eyed balls, mas vou dar uma olhada. Eu gosto de pasta de amendoim, mas em torrada, porém enjoo muito rápido. Depois que escrevi este post acho que fiz mais uma ou duas vezes depois nunca mais... Vou tentar achar e experimentar!

    ReplyDelete

Post a Comment

Deixe seu comentário, dúvidas, sugestões ou perguntas para a Paulistana na Califórnia!
Seu comentário será lido e respondido assim que possível!
Obrigada!!

Popular posts from this blog

É legal viver ilegal nos EUA?

...

O dia que a professora de espanhol quase enfartou em classe