Quando é preciso deixar partir...

A lição mais difícil que tive que aprender na vida foi deixar pessoas partirem.
Sabe aquela famosa metáfora de que nossa vida é um trem e que pessoas entram e saem em determinadas estações? Pra mim, os meu trem se assemelharia ao metrô de SP na estação da Sé em horário de pico. Abarrotado. E mesmo assim, não queria que ninguém saísse.

Pois bem. Desde muito jovem eu me agarrava demais às pessoas. Sofria horrores por paixões não correspondidas. Por anos! Curei-me da minha primeira paixão - que foi não correspondida depois de uns 4 anos de rejeição após me apaixonar e ser rejeitada novamente e ficar sofrendo por mais uns 2 anos. E assim por diante. Gastei grande parte da minha juventude sofrendo porque quem eu gostava não gostava de mim. Mas eu tinha os meus amigos. E isto acabava compensando tudo, certo? Errado.

Por muito tempo na escola eu fui odiada pelos meus colegas porque era a CDF, a chata puxa-saco da professora (mesmo não sendo puxa-saco coisa nenhuma) que sempre tirava notas boas. Não me perguntem porque mas eu não tinha muitos amigos na escola e sempre tinha alguém que queria me pegar na hora da saída, pelo simples fato de eu "ser metida". Claro que eu nunca briguei na porta da escola, eu ia pra casa mesmo sob vaias de "arregou, arregou, arregou". E foi somente na minha adolescência que eu encontrei a minha turma, no grupo de jovens da igreja em que frequentava.

Achava que todo mundo era meu amigo e que nós iríamos crescer juntos e conquistar o mundo juntos! E que a amizade iria durar eternamente, até chegarmos ao céu. Como eu era ingênua...
Bastou uma crise de depressão - por conta de um dos amores rejeitados - que vi um a um, todos os meus supostos amigos sumirem. E aí veio a primeira dura lição. A lição de que nos momentos mais negros da sua vida, naqueles momentos em que você não tem nada de bom para oferecer para ninguém, são pouquíssimas as pessoas que irão até você e te extender a mão para te tirar do fundo do poço.

Depois daquela depressão nunca mais fui a mesma. Nunca mais entrei no meio da multidão, não tive mais sorriso fácil e me arrisquei a fazer amizades com quem simplesmente olhasse pra mim. Comecei a ser seletiva porque o meu coração estava muito machucado. E não existe amizade sem doação certo? Mesmo assim, ao longo da minha vida, por todos os lugares por onde passei - trabalhos, faculdade, cursos, lugares onde morei sempre existe pelo menos uma pessoa com a qual consegui construir um laço de amizade que dura até hoje e isto pra mim é uma conquista enorme. Talvez estas pessoas não estejam tão presentes na minha vida como eu gostaria, mas sei que apenas um clique ou um telefonema basta para reconectar.

Algumas pessoas muito boas eu tive que deixar pra trás contrariada, porque era chegada a hora delas partirem, descerem em alguma das estações da vida. Percebi que elas estavam no meu trem porque a porta estava fechada. Era eu quem estava mantendo a pessoa lá dentro. Assim que eu resolvi abrir a porta do vagão,  foram embora e sequer olharam para trás para acenar. Não que elas estivessem desconfortáveis ou infelizes, apenas era hora de ir e talvez embarcar em uma outra viagem de trem.

Mas o que fazer quando a sua melhor amiga - aquela pessoa com a qual você ficava horas conversando, compartilhando segredos, dividindo amores, lágrimas e sorrisos, fazendo mil planos sobre o futuro e imaginando como seria as nossas famílias, filhos, a nossa velhice juntas , que foi sua companheira de viagem por uns 10 anos - dá o sinal de pare porque ela quer descer na próxima estação? O sinal vem sendo dado ao longo dos últimos anos, pequenas mancadas, sumiço nos momentos que mais precisei, desinteresse/muito ocupada para manter contato... eu insisti, eu lutei, tentei conversar sobre o assunto, mas pra ser sincera eu cansei. Até quando a gente perdoa as mancadas, as ausências e pára de ficar insistindo em uma amizade que parece que só você está interessado?

Estou muito triste em ver esta pessoa tão querida saindo aos poucos da minha vida, não por escolha minha, mas por escolha dela, mas a estação está chegando e eu vou abrir a porta. Talvez ela resolva ficar mais um pouco, ou desça e siga o seu rumo. Não sei. A única coisa que espero é que ela tenha feito uma boa viagem e guarde boas memórias da jornada que tivemos juntas. Porque é exatamente isto que farei, apesar da dor da partida.

Comments

  1. Eu estou vivendo um momento similar (acabei de espremer todas as forças para escrever sobre isso lá no blog) e ler seu texto foi até reconfortante. É difícil demais deixar partir as pessoas que amamos, mas acho que a vida é assim mesmo e temos que aprender a lidar com isso. Sejamos fortes!
    Beijos, querida.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Que Deus te conforte e te dê forças neste momento Paula.

      Delete
  2. Oi!

    Nossa, eu fui lendo seu post e você foi descrevendo vários momentos da minha vida (tirando a parte de ser cdf: nunca tirei notas boas, mas era bem comportada - e odiada pela escola sem motivo real, puro bullying)... Desse jeitinho mesmo, sobre as paixões não correspondidas, a depressão, as amizades que sumiram, a solidão... Você descreveu exatamente o que vivi... Fiquei comovida por saber que não aconteceu só comigo... Eu detesto essa sensação de abandono, mas as mudanças são partes constantes na minha vida. E o que eu tenho percebido é que muitas pessoas vão embora de nossas vidas pro nosso bem. Li um artigo que falava que pessoas felizes entendiam a rejeição como uma forma de proteção. A pessoa ir embora acabava fazendo mais bem do que se ficasse. Mas é doloroso quando a gente, de repente, percebe nosso trem cada vez mais vazio... Tb li outra matéria que falava que - pasmem - as amizades têm um ciclo de 10 anos de duração. Ou seja, no final das contas, só fica em nossas vidas quem realmente importa. Quem passa no nosso caminho e vai embora, teve seu papel, nos deu aquilo que, de alguma forma precisávamos naquele momento, depois seguiram... e, com o tempo, depois que as dores cessam e o aprendizado se consolida, eu fico imensamente agradecida por tudo. Tudinho ;)
    Beijos!
    M.
    CaseiComOMundo.blogspot.com.br

    ReplyDelete
    Replies
    1. Concordo contigo que é melhor algumas pessoas sairem da nossa vida, mas o difícil é quando queremos que alguém continue na jornada da vida e ela simplesmente não quer mais... aceitar não é fácil, mas é a única opção. Hoje em dia eu sei que cada um permanece exatamente no tempo que é necessário, mesmo que não seja o quanto nós queremos.

      Delete
  3. Que texto lindo!!! Meus olhos se encheram de lágrimas no fim. É realmente triste ver alguém que amamos partir, mas infelizmente não dá pra manter um relacionamento ou amizade se sentimos que só o nosso lado faz esforços para manter a amizade firme. Só podemos esperar que a pessoa tenha boas lembranças da gente, mais nada.

    beijos!!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada Marcela. Tem uma hora que a gente cansa de lutar pra manter um relacionamento vivo... cheguei neste momento. Se continuar ótimo, se não... eu tenho paz de que fiz a minha parte.

      Delete
  4. Texto lindo, Eliana! Esta coisa de chegadas e partidas são tão complexas. Chegadas costumam ser de extrema felicidade, mas quando chega a hora de partir é hiper mega doloroso deixar quem amamos sair. Infelizmente, tem hora que não dá para lutar mais, pq ngm consegue manter uma relação sozinho, seja uma relação de amizade, de negócios ou relação de companheiros. Espero que se for para ser real, que esta partida seja temporária e volte para ainda te trazer futuras memórias!! Bjss

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada Aline! Você tem razão, a chegada parece sempre ser mais fácil de lidar e ser feliz do que as partidas, mas elas também fazem parte da nossa vida. Também espero que esta partida seja temporária, mas só o tempo irá dizer...

      Delete
  5. Chorei lendo seu texto, me vi nele. É muito difícil deixar partir, perdas, morte física. Tô muito magoada com isso, não querendo mais me envolver, deixar as pessoas entrarem...pra não precisar mais lidar com tantas partidas...Já que não é pra ficar, não entre.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Oi Carla! Sinto muito em saber que você está passando por este momento tão difícil. Confesso que assim como você eu passei um tempo com o coração fechado, por medo de me magoar novamente, mas percebi que isto estava me deixando muito infeliz, então resolvi deixar partir esta pessoa e estou abrindo aos poucos o meu coração para novas amizades. Você ficaria surpresa quanta gente boa tem por aí só esperando uma chance :-)

      Delete

Post a Comment

Deixe seu comentário, dúvidas, sugestões ou perguntas para a Paulistana na Califórnia!
Seu comentário será lido e respondido assim que possível!
Obrigada!!